quarta-feira, 3 de setembro de 2014

O modelo de discipulado de Jesus / The Jesus model of discipleship / El modelo de discipulado de Jesús

A maneira como Jesus investiu na formação de seu movimento não tem a ver com um projeto de poder, mas com o discipulado. O maior equívoco do cristianismo foi o de tentar criar um reino de justiça e fé em meio a uma sociedade corrompida e perversa, sem a ação transformadora do evangelho na vida das pessoas. Tentar colocar ordem num mundo caótico, por entender que está distante dos propósitos de Deus, não corresponde à missão dada por Jesus. Ele não comissionou pessoas a defenderem uma ideologia de poder, mas para serem testemunhas da graça divina, que nos acolhe e nos transforma em novas criaturas. Isso não se limita à formação de uma nova estrutura política e social, mas à restauração da humanidade em nós.
Para isso, Jesus se ocupou com duas áreas de atuação: como tornar-se um discípulo e como fazer discípulos. O modelo de Jesus para o discipulado é, portanto, relacional e intencional. Isso envolve quatro aspectos:
a) Em primeiro lugar, somos desafiados para uma nova vida, a viver uma nova realidade. Por isso somos transformados em nosso caráter, em nosso modo de pensar e na maneira como vemos o mundo. Isso demanda uma intencionalidade no discipulado.
b) Em segundo lugar, Jesus nos encoraja a uma vida de intimidade com Deus e para sermos mais sensíveis à sua vontade. Sua presença entre nós nos restaura e nos cura. Isso nos estimula a uma celebração apaixonada e apaixonante.
c) Em terceiro lugar, ele também nos convoca para a vida em comunidade, o que demonstra o quanto somos amados e valorizados. Isso desperta uma atitude mais acolhedora.
d) E, em quarto lugar, ele ainda nos capacita para testemunhar e a servir. Temos a missão de sinalizar o Reino de Deus no mundo. Isso nos leva a uma ação em favor das pessoas mais vulneráveis.
Por que Jesus se preocupou com isso? Primeiramente, por reconhecer que a única forma que temos para alcançar o mundo todo é através do relacionamento interpessoal. Cristãos não se reproduzem automaticamente, o que corresponde ao fato de que todos nós precisamos ser ajudados para chegar à maturidade. Nesse sentido, o discipulado é a melhor ferramenta para a formação de lideranças e de pessoas que são capazes de influenciar outras. Como uma relação intencional entre pessoas, o discipulado tem um baixo custo de implantação, pois se baseia unicamente no relacionamento.
Os primeiros discípulos compreenderam esse modelo de forma muito clara e o aplicaram no começo de sua caminhada como igreja no mundo. Logo de início, os primeiros discípulos foram reconhecidos como pessoas que estiveram com Jesus por causa de sua atitude: Vendo a coragem de Pedro e de João, e percebendo que eram homens comuns e sem instrução, ficaram admirados e reconheceram que eles haviam estado com Jesus. Atos 4.13.
O resultado da aplicação desse modelo no seguimento de Jesus contribuiu decisivamente para o aumento do número de cristãos desde o início. Esse é o modo como o livro de Atos relata: “E divulgava-se a palavra de Deus, de sorte que se multiplicava muito o número dos discípulos [...]” Atos 6.7 (ARA).
Ser e fazer discípulos é o modelo de Jesus. Isso vale para nossos dias para quem segue seus ensinos. E esse é o fator preponderante para a multiplicação do número daqueles que são alcançados pela graça e têm suas vidas transformadas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Assista:

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails