segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Voto consciente: exercício de democracia e espiritualidade / The conscious vote / El voto consciente

Novas eleições se aproximam e a gente se surpreende, mais uma vez, com a prática dos chamados votos de cabresto. Sob novas modalidades, claro. Mas não era para haver surpresas, dado que já é uma prática antiga. Tão antiga quanto a democracia. Então, por que a ideia de se cultivar “currais” eleitorais e a compra de votos persiste numa sociedade que quer ser livre e autônoma?
Aristóteles, um dos pensadores que formulou o princípio da liberdade política, na qual a democracia tem sua base, entendeu que isso envolve um tipo de saber que nos ajuda a agir visando a felicidade e o bem comum. Ele argumentou que todo o regime político comporta desvios. Os regimes que ele conhecia em sua época eram: a monarquia, a aristocracia e a politeia. Os desvios correspondentes a esses regimes eram: a tirania, a oligarquia e a democracia, sendo este último como “a pior das formas boas, mas a melhor entre as variedades más”.
Norberto Bobbio, um dos críticos contemporâneos da democracia, afirmou no livro Igualdade e liberdade que “os cidadãos de um Estado democrático se tornam, através do sufrágio universal, mais livres e mais iguais. Onde o direito de voto é restrito, os excluídos são ao mesmo tempo menos iguais e menos livres.” Votar, por pior que isso possa parecer, ainda é o modo pelo qual podemos exercer a nossa liberdade na construção de uma sociedade mais justa.
Quando a gente toma conhecimento de atitudes que violam o direito ao voto, isso soa como mais uma forma de violação das liberdades. Isso se agrava ainda mais quando praticado por líderes religiosos, comunitários ou mesmo do mercado. Nesses casos, tais práticas são marcadas por fisiologismo, interesses escusos e até de manutenção de esquemas que sempre nutriram a corrupção e desvios de dinheiro público.
Essas práticas estão presentes na sociedade através do discurso que se dá popularmente sobre as eleições e o envolvimento com a política. Tentei arrolar algumas das frases que muita gente anda dizendo e que trazem de forma implícita uma tentativa de desviar o eleitor do exercício de liberdade na hora de votar. Veja quais são:
1.       “O voto é meu e faço dele o que quiser.” O voto não é seu. O voto é da sociedade. Ele não pode ser usado de acordo com a sua vontade livre, mas para o bem comum. Vale lembrar que voto não tem preço. Tem consequência. O que se chama hoje de vontade livre é marcado pelo individualismo e pelo hedonismo, longe do sentido de comunidade. Votar consciente faz parte do sentido de comunidade.
2.       “Vou anular o meu voto.” Anular o voto corresponde a um voto consciente a menos. Os maus sabem se organizar para seus empreendimentos. Eles já têm os seus votos garantidos. A única forma de frear os seus intentos é aumentar o número de pessoas votando com consciência. Um voto anulado é apenas mais um que abriu mão de sua responsabilidade de construir uma sociedade mais justa.
3.       “Isso nunca vai mudar.” A mudança é parte da nossa realidade. Estamos sempre mudando. O problema é que pode ser para pior ou para melhor. Mudanças exigem esforço, reflexão e escolhas. O momento do voto deve ser o resultado disso. Por isso, faça um esforço prévio de conhecer o candidato, reflita criticamente sobre a realidade que a sociedade vive e escolha o candidato que tem uma proposta de trabalho que corresponda às mudanças que você deseja.
4.       “Irmão vota em irmão.” O cristão sincero não tem que votar em candidatos de sua religião. Se você é um seguidor de Jesus Cristo, você deve votar em quem tem compromisso com o sentido de justiça, compaixão, solidariedade e ética que o evangelho propõe. Nem todo o que se diz irmão tem esse compromisso. E há pessoas comprometidas com esses ideais que nem religiosas são.
5.       “Pior do que está não fica.” Pior do que está é permanecer do mesmo jeito, com o mesmo quadro de desigualdade, de violência e de maldade que estamos inseridos. Não haverá melhoria enquanto houver continuidade do que sustenta a estrutura e a conjuntura atual.

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

O princípio da celebração / The principle of celebration / El principio de la celebración

Você já deve ter assistido diversas vezes àquelas comemorações estranhas com dancinhas e outras manifestações dos atletas quando fazem um gol no futebol. O que isso tem em comum com a nossa vida diária é que precisamos aprender a curtir as conquistas e as superações a cada etapa da vida como se fossem partes essenciais de nossa realização. Isso é uma demonstração para nós mesmos de que estamos comprometidos com o que deseja alcançar, bem como para dar mais valor aos momentos vividos.
A gente descobre cedo que a maior parte de nossas conquistas e realizações não é fruto de merecimento, mas é resultado de oportunidades que são verdadeiras dádivas. Celebrar até mesmo as pequenas conquistas é um modo reconhecer que sozinhos não as teríamos alcançado. Aprender a celebrar, portanto, tem a ver com aprender a viver e a dar valor à vida. Porém, o individualismo e o hedonismo que marcam a sociedade de consumo e do espetáculo atualmente dão uma ênfase aos momentos individuais de celebração como se tudo dependesse de nós mesmos. A melhor maneira de celebrar uma conquista é partilhar esse sentimento de realização com outras pessoas, principalmente com aquelas que mais contribuíram para nosso sucesso.
Celebrar junto é mais significativo porque estimula a que novas conquistas aconteçam, dando continuidade à dinâmica da vida, que se dá em meio a uma sucessão de realizações. Muitas vezes, não comemoramos nossas conquistas porque esperamos reconhecimento e aprovação das pessoas. E isso pode se tornar fonte de frustração, de decepção e até de desistência. Entretanto, é preciso estar consciente de que cada etapa vencida é parte de um longo processo de amadurecimento e crescimento pessoal. Ao ignorar o valor de seus esforços, inconscientemente você é desencorajado a conquistas maiores.
Deus sabe de antemão que você não é bom em tudo. Ele conhece os seus pontos fracos. O diabo também. A diferença é que Deus o ama como você é e o ajuda nas fraquezas. A Bíblia mesmo nos orienta: “Em tudo dai graças.” 1 Tessalonicenses 5.18. Essa atitude corresponde a dar honra a quem realmente tem contribuído para nossas conquistas. Aliás, celebrar é reconhecer o valor de nossas conquistas e atribuir um significado para as nossas realizações.
A celebração que é voltada para si mesmo comporta muitos riscos. O momento em que um time está mais sujeito ao contra-ataque é após a comemoração de um gol ou de uma grande jogada. O maior risco de derrota na guerra é logo após vencer uma batalha. Isso não significa que você está impedido de celebrar. Ao contrário, é um convite a uma atitude de confiança, reconhecendo que uma pequena vitória hoje é o prenúncio de uma grande conquista amanhã. Mesmo que fracassos aconteçam, nunca podemos perder de vista que a vida comporta uma totalidade. Uma vitória nem mesmo uma derrota são um fim em si mesmas. Nem sempre um aluno não é aprovado porque passou em todas as provas ou porque acertou todas as questões. A aprovação é sempre resultado de perseverança no conjunto das avaliações. Lembre-se de que ter uma vitória não é o mais importante e sim permanecer um vencedor.
Você pode celebrar de várias maneiras: com ações, com gestos e com expressões. Contudo, nenhuma delas é tão significativa quanto aquela que se converte em palavra. A Bíblia dá destaque a algumas palavras que estão presentes nas manifestações de júbilo e de alegria por parte daqueles que celebram suas conquistas como sendo dádivas de Deus para a vida. Aleluia, amém, glória e hosana são algumas delas. Elas não só demonstram a alegria pelas realizações, mas também servem para reconhecer a quem atribuímos as razões de nossas muitas vitórias.

Assista:

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails