quinta-feira, 26 de março de 2009

Ética / Ethic / Etica


Queria falar de ética. Tenho refletido muito sobre isso porque estou preparando os originais de minha dissertação para a publicação em livro. Mas preferi apresentar uma tirinha que resume bem o que me inquieta.

quarta-feira, 25 de março de 2009

Jesus e a transformação de indivíduos em pessoas / Jesus and the transformation of individuals in person / Jesús y la transformación de los individuos

É possível aplicar os ensinos de Jesus em um contexto tão ambíguo como tem se caracterizado o comportamento do mundo corporativo nesse estágio em que o capitalismo chegou? A resposta é positiva, embora deva ficar bem claro que o pensamento desenvolvido por Jesus Cristo está voltado para uma preocupação que está na contramão da mentalidade contemporânea.
Alguns livros têm surgido nessa área que servem de bons referenciais teóricos a fim de promover uma aproximação entre os princípios cristãos e uma práxis de mercado que leve em consideração muito mais a realização pessoal do que a conquista de lucro. É o caso de Mentoria Espiritual: O desafio de transformar indivíduos em pessoas, de James M. Houston (Ed. Mundo Cristão). Há também: Jesus Coach, de Laurie Beth Jones (Ed. Mundo Cristão), e Jesus CEO, da mesma autora (Ed. Ediouro), que procuram apresentar o estilo de Jesus em treinar os seus discípulos de tal forma que os transformou em líderes eficazes, em relação à missão para a qual foram designados.
A preocupação desses autores é de mostrar que o que orientou as atitudes de Jesus como um mentor espiritual foi a perspectiva de resgatar a condição humana e fazer com que indivíduos até então com vidas inexpressivas experimentassem uma transformação significativa. Para isso, Jesus se utilizou de três estratégias: o ensino voltado para as habilidades, a ação efetiva e responsável comprometida com o outro e os relacionamentos movidos pela compaixão.
Foi assim que ele treinou doze homens oriundos de experiências tão diversas e ao mesmo tempo tão comuns. A força com que os chamou fez com que aqueles seus colaboradores tivessem a vida modificada de repente, de modo que nunca mais foram os mesmos. Esse grupo não era formado por pessoas extraordinárias ou sobrenaturais. Eles eram humanos, demasiadamente humanos, passíveis de um questionamento, cheios de temores, mas que foram conduzidos a se tornarem líderes capazes de levar a cabo a missão que lhes fora entregue como se fosse a sua própria missão de vida.
Para entender esse aspecto, é preciso analisar o papel de Jesus Cristo destituído daquilo que a teologia lhe atribui. Uma compreensão de Cristo que não seja meramente histórica, mas que também não esteja vinculada a uma doutrina. Um Jesus que atue muito mais como um homem que tomou as decisões acertadas e que serviu de fonte de inspiração para outros, no sentido de que seu exemplo fosse imitado.
Um líder que esteja para além do Messias, pois foi isso que ele foi enquanto aqui viveu. Ele abriu mão de sua glória para que pudesse ser absolutamente homem, e que deve ser visto como tal em sua função de líder, professor e chefe. Foi isso que o fez motivar sua equipe e tornar efetiva a relação com seus colaboradores. Sua capacidade de gerenciar pessoas e situações de conflito, associada a uma mensagem confrontadora aos padrões da época, fez dele o maior exemplo de espiritualidade que já existiu.
Mesmo que não se aceite a pessoa de Jesus Cristo como o Filho de Deus, senhor e salvador de todos os que creem, não se pode discordar de que seus ensinos e seu exemplo constituem-se um forte argumento em favor de uma reavaliação sobre o modo como temos conduzido nossas ações e para apontar caminhos para a reconstrução de uma vida que possa fazer sentido.

terça-feira, 24 de março de 2009

Exemplo de mentoria espiritual / Example of spiritual mentoring / Ejemplo de mentores espirituales

Um dos exemplos de mentoria espiritual que encontramos na Bíblia é Barnabé. Você já ouviu falar de alguma procissão em devoção a São Barnabé? Já leu algum livro, carta, bilhete ou quem sabe um “scrap” escrito por Barnabé? Conhece algum grande feito que ele realizou ou algum grande movimento que liderou? Eu também não. Apesar disso, ele é o maior exemplo de prática da mentoria espiritual que podemos encontrar na Bíblia depois de Jesus Cristo.
A história de Barnabé é relatada no livro de Atos dos apóstolos. Ele mesmo não era um apóstolo. Era um membro comum da comunidade de cristãos de Jerusalém. Sua vida é conhecida por causa das atitudes que tomou em meio a situações de tensão experimentadas pela igreja. Essas atitudes evidenciavam marcas inconfundíveis de seu caráter. Pelo menos algumas dessas situações podem ser alistadas como definidoras dos grandes valores que orientavam a sua vida.
O primeiro valor era a generosidade. Logo no começo, quando a igreja ainda dava os seus primeiros passos, os cristãos desenvolveram o hábito de fazer doações para ajuda mútua. E um dos exemplos expressivos, que mereceu o registro histórico foi o de Barnabé. “José, um levita de Chipre a quem os apóstolos deram o nome de Barnabé, que significa ‘encorajador’, vendeu um campo que possuía, trouxe o dinheiro e o colocou aos pés dos apóstolos”. Atos 4.36-37.
O segundo valor era investir em pessoas. Assim que o temível Saulo se converteu, a presença dele assustava a igreja e até incomodava. Mas Barnabé acreditou na conversão dele e “lhes contou como, no caminho, Saulo vira o Senhor, que lhe falara, e como em Damasco ele havia pregado corajosamente em nome de Jesus”. Atos 9.27. Depois, quando precisou de um companheiro, “Barnabé foi a Tarso procurar Saulo e, quando o encontrou, levou-o para Antioquia. Assim, durante um ano inteiro Barnabé e Saulo se reuniram com a igreja e ensinaram a muitos. Em Antioquia, os discípulos foram pela primeira vez chamados cristãos”. Atos 11.25-26. Se Paulo foi o que se tornou, agradeça a Barnabé.
O terceiro valor era o compartilhamento. Quando os irmãos em Antioquia começaram a se reunir, Barnabé foi até lá para ajudá-los: “Este, ali chegando e vendo a graça de Deus, ficou alegre e os animou a permanecerem fiéis ao Senhor, de todo o coração.” Atos 11.23. E quando a própria igreja de Antioquia quis enviar missionários, não teve dúvidas: “Enquanto adoravam o Senhor e jejuavam, disse o Espírito Santo: ‘Separem-me Barnabé e Saulo para a obra a que os tenho chamado’. Assim, depois de jejuar e orar, impuseram-lhes as mãos e os enviaram”. Atos 13.2-3.
O quarto valor era a cooperação. O ministério de Barnabé era: “fortalecendo os discípulos e encorajando-os a permanecer na fé, dizendo: ‘É necessário que passemos por muitas tribulações para entrarmos no Reino de Deus’.” Atos 14.22. E quando tinha que partir para outra cidade: “Paulo e Barnabé designaram-lhes presbíteros em cada igreja; tendo orado e jejuado, eles os encomendaram ao Senhor, em quem haviam confiado”. Atos 11.23.
Mas o irremediável Barnabé não parou quando Paulo resolveu seguir seu próprio rumo. Lá estava ele de novo apostando tudo na formação de João Marcos: “Tiveram um desentendimento tão sério que se separaram. Barnabé, levando consigo Marcos, navegou para Chipre.” Atos 15.39

segunda-feira, 23 de março de 2009

O que é mentoria espiritual? / What is spiritual coaching? / Que és tutoria espiritual?

Ao contrário do que possa parecer, a mentoria espiritual está mais para um exercício de vida simples e de amizade cristã, do que uma atividade profissional baseada em fórmulas que só servem para distanciar as pessoas umas das outras. A mentoria espiritual tem por princípio o relacionamento com o outro, mas de tal modo que se torna resultante de um primeiro e grande relacionamento que se dá entre o mentor e mentoreado com Deus como o grande Outro.
Somente a partir do estabelecimento de uma relação com Deus é que o indivíduo consegue superar os limites de uma existência autocentrada, egoísta e manipuladora. É isso que tornará possível uma aproximação do outro de forma amorosa e dentro dos princípios ensinados por Jesus Cristo.
Até mesmo no campo da mentoria profissional, um mentor, tutor ou coach não é um mero treinador. Seu trabalho não se resume em oferecer instrução particular, ensino e supervisão em uma determinada área de atividade. Há que se compartilhar também a vida.
Mentoria espiritual exige uma sensibilidade para entender o modo de Deus agir, uma atitude de respeito e de compaixão para com aqueles com quem convivemos a fim de desenvolvermos juntamente a habilidade de aprender com as situações mais comuns da vida. É como a reconstrução de uma casa após uma grande enchente. Não basta restaurar a aparência da casa. Tem que se limpar por dentro, reorganizar a vida, recompor os móveis. Para esse recomeço, a solidariedade, a generosidade e a gratidão são os valores mais importantes a serem cultivados.
Lembro-me do vizinho de meu cunhado. Ele tinha uma linda casa de madeira toda envernizada. Era a casa mais linda do bairro. Um dia, um incêndio consumiu toda a casa. O casal de proprietários perdeu tudo. Não deu tempo de salvar nada. Não tinham nem roupa mais para se vestir. Foi aí que funcionou a solidariedade. Hoje, uma outra casa está reconstruída no terreno. Mas o casal jamais será o mesmo.
No que diz respeito à mentoria espiritual, a casa somos nós mesmos, em nossa integridade. Isso tem a ver com a nossa identidade. As transformações culturais que acontecem na sociedade têm devastado o universo de nossos valores e também a maneira como compreendemos a nós mesmos. É preciso revirar os escombros e refazer as fundações para reconstruir uma vida tal como ela foi criada para ser. É disso que trata a mentoria espiritual.
Nessa condição, somos todos mentoreados e Jesus Cristo é o único e verdadeiro mentor capaz de nos ajudar a reconstruir uma vida que possa fazer sentido. A mentoria espiritual tem, então, um grande fundamento teórico: os ensinos deixados por Jesus Cristo, conforme está registrado na Bíblia. Só que esses estudos devem ser analisados à luz da história, da filosofia e da psicanálise para se chegar a uma compreensão mais adequada de quem somos.
É nesse sentido que Jesus Cristo pode ser considerado o mentor mais hábil e mais eficiente que já se conheceu. Durante seu ministério, ele aconselhou, exortou, motivou e orientou seus discípulos, de tal forma que transformou a vida de pessoas simples. O método que Jesus usou pode ser comparado ao que atualmente é conhecido como life coaching, cujos conceitos podem ser aplicados à atividade executiva tanto nas grandes corporações quanto em pequenas empresas.
O grande desafio da mentoria espiritual é, portanto, fazer de Jesus o grande coach da nossa vida pessoal e de aprofundar esse relacionamento no sentido de fazer com que a vida e os ensinos dele sejam reproduzidos em nós.

sexta-feira, 20 de março de 2009

Quando a mentoria espiritual é necessária / When the spiritual mentoring is needed / Cuando la mentoria espiritual és necessaria

Em que medida a mentoria pode ser considerada como uma atividade espiritual? Na medida em que ela nos remete a uma compreensão de nós mesmos como humanos. E isso vale para o mentor e para o mentoreado. A mentoria como atividade humana surge da necessidade de encontrar sentido para as coisas que fazemos em um contexto de trabalho dominado pela mentalidade engendrada pelo capitalismo. Empresas, na maioria das vezes, adotam programas de mentoria e coach porque estão preocupadas em aumentar sua competitividade e fazer com que os membros da equipe aumentem a sua capacidade de produção.
Mas a mentoria vai além disso. E será tão eficaz quanto necessária na medida em que estiver vinculada a uma noção de espiritualidade. Quando uma empresa começar a se preocupar com a questão da espiritualidade aplicada ao mentoreamento, deve se preparar para uma reviravolta no mundo interior de seus colaboradores. O que vai passar a orientar a vida das pessoas que se interrelacionam são novos valores, novos princípios, novas conquistas que vão sendo consolidadas ao longo das descobertas que serão feitas.
Defendo uma espiritualidade que seja expressão humana, uma atitude em face dos conflitos constitutivos de nossa condição humana. Atitude essa que tem a ver com a nossa necessidade de sermos felizes e de encontrar sentido para a nossa vida. Para esse modo de compreender, tenho como pressuposto o fato de que essa espiritualidade se dá a partir de um relacionamento pessoal com Jesus Cristo e pela formação de seu caráter em nós.
Não se justifica uma mentoria que seja espiritual que não tenha como princípio a formação do caráter de Cristo. De um lado, é preciso que o mentor ou coucher tenha um comprometimento pessoal de construir uma identidade que se aproxime da pessoa de Jesus, que assuma a sua forma, que se torne conforme a imagem de Cristo. De outro, que o objetivo seja o de fazer com que a pessoa mentoreada assuma o compromisso de também construir sua identidade conforme a mesma imagem de Cristo.
Assumir a forma de Cristo ou reproduzir o caráter de Cristo só se torna possível a partir da análise e vivência dos seus ensinamentos, que estão contidos na Bíblia. Considero que Jesus Cristo foi o maior mestre de espiritualidade que já viveu e que a Bíblia, onde estão registrados seus ensinos, o maior manual de orientação espiritual que já se produziu – tanto que tem influenciado centenas de gerações há mais de três mil anos, abrangendo três grandes religiões mundiais: o cristianismo, o islamismo e o judaísmo.
O que se faz necessário, portanto, é desenvolver um programa de mentoria que leve em consideração a espiritualidade como expressão humana e que, ao mesmo tempo, se preocupe com a construção de identidade à semelhança de Jesus Cristo conforme o que se depreende nas Escrituras. Isso não significa repetir os modelos que foram construídos ao longo da história do cristianismo, nem mesmo formatar as descobertas aos padrões de uma religiosidade. Há que se inovar na busca de novos caminhos para a interpretação e para a descoberta de formas de se aplicar os valores e princípios à vida.
Uma mentoria nesses termos é um grande desafio porque é inovadora. Implica mudanças de comportamento das pessoas a partir da constatação de sua necessidade. Por que sua empresa precisa de um programa de mentoria? Para aumentar sua competitividade e eficiência ou para fazer com que as pessoas sejam felizes e encontrem sentido para a sua vida? Se for o primeiro caso, mentoria não passa de uma estratégia para fazer com que seus colaboradores deem mais de si do que eles já estão dando, e isso soa para eles como exploração, em última análise. Mas se é o segundo caso, a mentoria espiritual é o caminho.

quinta-feira, 19 de março de 2009

Mentoria, coaching e espiritualidade / Mentoring, coaching and spirituality / tutoría, entrenamiento y la espiritualidad

Você certamente já ouviu falar que liderar é executar as tarefas enquanto se constroem relacionamentos. Esta é a ideia defendida por escritores como James Hunter. Nos dias de hoje, você não consegue legitimidade da sua atuação como líder se não for através da construção do relacionamentos com seus companheiros de equipe. O que você descobre hoje é que os líderes bem sucedidos ajudam seus colaboradores a crescer e se adaptarem através de um programa de relacionamentos conhecido como mentoria. O nível de envolvimento do líder em desenvolver mentoria demonstra o quanto ele se preocupa com sua equipe e isso encoraja a todos os envolvidos para a mudança e para a inovação. Até mesmo os conflitos são mais bem trabalhados por valorizar os relacionamentos interpessoais e a comunicação.
A grande razão para a existência desse tipo de atividade é o fato de que não há formas de organização humana sem conflito. Não podemos ignorar o fato de que as nossas interações formam uma rede, um tecido social que influencia a conduta humana. As pessoas normalmente aprendem através das ações intencionais, das crises e também dos relacionamentos. As ações intencionais nos remetem ao saber fazer, o tipo de conhecimento que está em alta em nossos dias. As crises nos estimulam a uma reflexão sobre o melhor aproveitamento dos recursos e das oportunidades a fim de construir uma condição melhor. Mas é nos relacionamentos que identificamos nossos pontos fracos e fortes e podemos encontrar caminhos para a realização pessoal.
Como uma atividade voltada para o mundo corporativo, a mentoria tem assumido pelo menos duas formas distintas, mas muito próximas entre si. Quando a mentoria é praticada por um nível hierárquico superior, com a finalidade de orientar o subordinado e de fazer com que as intenções da liderança sejam transformadas em ação, tem sido chamada de coaching.
Quando a preocupação está voltada para a vida como um todo, não só para as questões ligadas à carreira e à organização, tem sido chamada de mentoring. Nesse nível de mentoria, o que prevalece é o valor da pessoa como ela é, sem a preocupação com superação ou com tomadas de decisões, mas com o real interesse de aprofundar relacionamentos, realçar valores humanos e aumentar o nível de comprometimento com as pessoas.
A mentoria é uma estratégia muito antiga. Para alguns, ela foi pela primeira vez registrada na literatura na obra de Homero. A Bíblia tem relatos de atividade de mentoria bastante curiosos. Os profetas bíblicos desenvolviam seus discípulos através de um relacionamento muito próximo. Foi o caso do profeta Elias com o seu auxiliar Eliseu, que por sua vez, quando se tornou profeta, teve como auxiliar o jovem Jeazi. Jesus teve doze discípulos que foram treinados para o apostolado, mas ele escolheu três – Pedro, Tiago e João – para serem os mais próximos.
A mentoria é baseada na vivência, no caminhar junto, no compartilhar a vida. Poucos mentores profissionais sabem que seu principal papel não é ter todas as respostas, mas construir juntos o caminho para uma relação amigável, justa, equilibrada. É claro que o maior beneficiado de um ambiente em que as pessoas se respeitam e reconhecem o seu valor é a própria organização. Por isso que mais de um terço das grandes empresas nos Estados Unidos desenvolvem programas de mentoria, segundo as pesquisas por entidades ligadas à área de recursos humanos.
Quando é a hora de se preocupar com isso? (a) Quando a situação de crise externa exige flexibilização das ações; (b) quando a competitividade aumenta; (c) quando os conflitos internos atrapalham os relacionamentos; (d) quando se torna necessária a busca de novas ideias.
Mas você não precisa esperar ficar doente para poder ir ao médico. Você pode adotar um estilo de vida saudável e periodicamente procurar o médico para os exames preventivos e de rotina. Esse é o papel da mentoria na vida da organização: promover um ambiente saudável para os relacionamentos, viabilizar a comunicação interpessoal de forma eficaz, prevenir as possibilidades de conflito e valorizar as pessoas pelo que de fato elas são. Quem precisa disso? Todos. Famílias, empresas, escolas, igrejas, organizações, sindicatos, partidos políticos, órgãos públicos. É preciso redescobrir um modo para humanizar as relações a fim de tornar a vida mais significativa. O grande desafio da mentoria é verdadeiramente transformar indivíduos em pessoas.

quarta-feira, 18 de março de 2009

Aquecimento Global / global warming / calentamiento global

Ontem ouvi uma conversa interessante entre dois homens. Não que eu seja curioso, mas foi impossível não ouvir. Eles estavam bem na minha frente enquanto pagava as compras no caixa do hortifruti.
– E aí, rapaz, tá sumido.
– É, tava de férias.
– Viajou pra onde?
– Fui pescar lá pras bandas de Goiás.
– Isso é que é vida...
– Que nada! Quase morri!
– Que qui houve?
– Eu tava pescando, aí de repente a linha esticou, parecia que tinha agarrado em alguma coisa. Pensei que não ia aguentar e fui sendo levado pro meio do rio. Fiquei com água pela cintura.
– E então, que qui era?
– Foi aí que eu vi que a linha tinha se enrolado numa sucuri enorme.
– Nossa!...
– Minha sorte é que ela tinha acabado de comer um bezerro e estava meio paradona. Nisso, eu peguei minha faca e feri a sucuri.
– E ela morreu?
– Saiu um sangueiro enorme, atraiu um monte de piranhas que começou a atacar a bicha.
– Que perigo!
– Eu corri pro barranco depressa. Quando comecei a subir, eu olhei pra cima... Você não imagina o que tinha lá.
– O que?
– Um urso polar. Eu me agarrei nas orelhinhas dele e comecei a gritar por socorro...
– Ah... Essa foi demais.
– Você vê onde que essa história de aquecimento global está chegando. Os coitadinhos vem procurar recurso muito longe.
Pois bem. Ocorreu-me que o aquecimento global, de fato, está alterando muito o comportamento de toda a vida do planeta. Até mesmo o modo de se contar as muitas boas histórias de pescador.

sábado, 14 de março de 2009

sexta-feira, 13 de março de 2009

A experiência de Deus pode mudar sua vida / God Experience can change your life / La experiencia de Dios puede cambiar su vida

Isaías estava com seu coração partido. A morte do rei mexeu com sua vida. Tanto que ele associa o fato ao momento mais impressionante de toda a sua existência, quando Isaías teve uma experiência de encontro com Deus. Ele diz: “No ano em que morreu o rei Uzias, eu vi ao Senhor assentado sobre um alto e sublime trono, e o seu séqüito enchia o templo” (Isaías 6.1)
Ele esteve diante da glória de Deus. A experiência foi, no mínimo, inusitada, marcada por vários sinais do poder de Deus, transformando a vida e capacitando-o para o ministério profético. Algumas marcas foram determinantes para que Isaías compreendesse claramente que a glória do Senhor estava enchendo o templo.
O primeiro sinal foi o da satisfação plena. Um homem angustiado com sentimento de perda, inseguro quanto ao futuro, estava buscando a direção divina para sua vida. Sua intimidade com Deus naquela hora deveria ser profunda e sincera. Isaías ansiava por uma resposta de Deus. A forma como ele a recebeu proporcionou enchimento, completude, satisfação.
Quando Deus ouve o nosso clamor, o primeiro sinal de sua glória em nós é o conforto de sabermos que somos ouvidos. Nos sentimos saciados com seu amor, sua paz e a segurança que só ele pode dar. Jesus nos diz que é como uma fonte que começa a jorrar de dentro de nós que salta para a vida eterna.
Isaías ouviu anjos cantarem. São expressões de louvor, de alegria, de vontade de servir e de falar a todos das maravilhas do poder de Deus em profusão. Isaías se sentiu no meio de anjos, embevecido com a glória divina e com a exaltação do nome do Senhor, que é santo.
Santo. Deus é santo e estava sendo contemplado por criaturas santas. Mas, uma coisa estava errada. Isaías não correspondia àquele quadro. Ele se sentiu um elemento estranho. Faltava-lhe o toque maravilhoso do Senhor purificando e restaurando toda a sua vida. Isaías precisou que o anjo tocasse em seus lábios com uma brasa viva do altar. É tudo o que faltava. Eu e você também precisamos do toque restaurador do Espírito Santo, que quer habitar permanentemente em nós.
Uma pessoa que está diante da glória de Deus e que tem a sua vida transformada está apta para servir. “Eis-me aqui” é a expressão de prontidão de quem tem uma experiência íntima com o Senhor. É o que faz a diferença e nos torna servos úteis nas mão de Deus: quando estamos diante da sua glória. Não dá para viver a experiência do encontro com Deus e continuar vivendo da mesma forma. E isso é o que nós mais precisamos.

segunda-feira, 9 de março de 2009

Excomunhão, aborto e violência / Excommunication, abortion and violence / Excomunión, el aborto y la violencia

O recente caso envolvendo aborto que tomou conta da mídia apontam vários caminhos para a discussão a respeito da maneira como construímos a nossa relação com a realidade. O fato, porém, ficou polarizado em suas duas extremidades: de um lado, um crime hediondo em que uma menina de nove anos é abusada sexualmente pelo seu padrasto; de outro, a decisão do bispo católico em excomungar todos os envolvidos no aborto dos fetos gêmeos resultantes do abuso sexual.
À primeira vista, temos um quadro que representa o drama humano. Logo de início, somos lembrados que convivemos com pessoas que desenvolvem comportamentos que nos agridem. A pedofilia é um desses comportamentos inaceitáveis porque nos chamam a atenção para o quanto somos vulneráveis, somos violentados como pessoas, e isso nos remete à nossa fragilidade, indefesos que somos diante da opressão dos mais fortes.
Mas somos lembrados também que vivemos em uma sociedade de regras e normas, orientados por autoridades que são regidas por uma lógica linear, que determina que suas decisões sejam cumpridas como resultantes de uma relação hierárquica, sem direito de questionar. A excomunhão é a expressão de um poder que vai além do humano, que arvora o direito de abrir e fechar as portas que nos apontam para aquilo que pode nos tornar livres e nos trazer de volta para o que fomos criados para ser.
Mas o problema é muito maior do que esse. O caso da pedofilia nos lembra também que há milhões de outros meninos e meninas que vivem oprimidos por pessoas que não reconhecem a dignidade humana na vida de uma criança. São oprimidos porque estão relegados ao trabalho infantil, ao mundo do tráfico, à prostituição, à privação ao seu direito mais emergente: o direito de existir.
O caso da excomunhão nos lembra ainda que há uma sociedade construída sobre um equívoco, que constrói uma idéia de mundo em duas esferas, a do sagrado e a do profano. Só que a dimensão do sagrado mudou de ares, não está mais sob o domínio de uma instituição ou de uma formulação teológica. O sagrado tem mais a ver com aquilo que nos estimula a seguir adiante na construção de um mundo mais justo. A humanidade aprendeu a não mais dar ouvidos a uma orientação que a distancie de seus anseios. Mas que ainda se recente de uma voz que lhe aponte o caminho, por isso que essa excomunhão lhe soa tão estranha.
O crime da pedofilia é hediondo. A excomunhão motivada por um aborto praticado dentro das normas jurídicas do país é um equívoco. Mas, e daí? Continuamos indefesos, vendo nossas crianças e os desvalidos sem quem lhes garanta a dignidade, continuamos desorientados sem uma voz que nos guie no caminho que precisamos trilhar para reencontrarmos a nós mesmos.
Diante disso, posso imaginar Jesus Cristo ainda numa esquina qualquer da cidade olhando as pessoas passarem de um lado para o outro. De vez em quando se deparam com a triste notícia, resmungam alguma coisa e continuam em sua caminhada. Diz a Bíblia que Jesus, “ao ver as multidões, teve compaixão delas, porque estavam aflitas e desamparadas, como ovelhas sem pastor.” Mateus 9.36.

segunda-feira, 2 de março de 2009

Líderes que querem crescer / Leaders who want to grow / Líderes que quieren crecer

Moisés queria mais do que ser um líder. Ele queria ver a glória de Deus. Toda a sua trajetória de vida resultou em uma incessante busca por uma experiência profunda em contemplar a glória divina. Ele pediu a Deus: “Então, ele disse: Rogo-te que me mostres a tua glória.” (Êxodo 33.18)
Ele poderia ter a glória dos reinos terrestres. Teve a melhor formação, conheceu o gosto pelo poder, afinal era tratado como o filho do faraó. Mas, aos 40 anos, no auge da vida, sentindo-se cheio de si, envolveu-se numa falha grave. A morte daquele egípcio despertou toda a sua fragilidade, expôs a sua real natureza, fez dele um fugitivo.
Passou mais 40 anos de sua vida no deserto. Acabou se tornando pastor de animais. Uma queda em sua vida? Não. Um grande aprendizado, porque nos 40 anos finais teria que conviver com toda a nação hebraica pelo deserto, conduzi-la a uma nova terra, lugar esse que jamais conheceria.
Nesse meio tempo, foi surpreendido por um pequeno vislumbre da glória divina. Uma sarça que ardia sem se consumir. Poderia ter passado despercebido. Mas havia algo além. Deus falou através da sarça. Por causa daquele pequeno vislumbre da glória de Deus, enfrentou faraó com as pragas, viu o Mar Vermelho se abrir, tirou água da rocha, comeu o maná do céu, foi guiado pela coluna de nuvem de dia e pela coluna de fogo de noite.
A busca pela glória divina transformou a vida de Moisés. Quando um dia ousou pedir para que contemplasse o todo da glória, Deus permitiu que visse apenas um pequeno ângulo, uma perspectiva, um retrato parcial, como quem diz: “a minha graça te basta”.
Você não pode imaginar o que a busca pela glória divina pode fazer em sua vida até que você almeje contemplá-la mais do que tudo. Mesmo que esteja no deserto da vida, Deus pode surpreender você com um pequeno sinal da sua glória. Um pequeno vislumbre que pode impulsioná-lo a experiências profundas. Quando isso acontecer, tudo o mais será pequeno, tudo o mais será passageiro. Nada mais interessa a não ser contemplar a glória de Deus.

Assista:

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails