sexta-feira, 28 de novembro de 2008

O que é inteligência espiritual? / QS spiritual quotient / inteligencia espiritual

A inteligência é uma capacidade tremendamente humana que diz respeito á faculdade de solucionar problemas através do pensamento de forma abstrata. Envolve a atividade de aprender, de aplicar o aprendido, de atribuir sentido, de adaptar-se. Inclui procedimentos como memória, raciocínio, seleção de dados, analogia, simbolismo, previsibilidade etc. Enfim, diz respeito à maneira como nos relacionamos com a vida e com o mundo.
Desde o começo do século XX, tem-se procurado um modo científico de tratar a questão da inteligência. No início, o teste de QI era o método científico para se quantificar a inteligência humana. Considerava-se a inteligência analítica através da qual formulamos conceitos e desenvolvemos a mentalidade científica com fundamento em critérios de objetividade. Isso foi alterado na década de 1990 com o surgimento da noção de QE, ou inteligência emocional. Provou-se que a inteligência humana não é regida somente pela razão, mas também pelas paixões. Nesse sentido, somos primordialmente movidos por paixão, empatia e compaixão; só depois disso é que vem a razão. Nossas atitudes são uma combinação de QI com QE e é assim que somos motivados.
Mais recentemente, tem-se desenvolvido a noção de inteligência espiritual – QS, que está relacionada à necessidade humana de se ter propósito e sentido na vida. Ela é responsável pela busca de significado para nossa existência. É o que nos leva a ter noção de valores e crenças que norteiam nossas ações cotidianas. Apesar do termo remeter a um sentimento religioso, ele tem sido utilizado para referir-se a atitudes de ousadia, fé, autoconfiança, convicção, além de desenvolver valores que sensibilizam a sociedade, tais como a generosidade, o senso de justiça, o contentamento. Essas atitudes estão em alta no mercado profissional e determinam o perfil do trabalhador ou empreendedor desejado. Isso porque pessoas com alto índice de inteligência emocional tendem a ser mais comprometidas com projetos, arriscam-se mais e agem com mais entusiasmo.
Inteligência espiritual é, na verdade, um desenvolvimento da maneira como a ciência vem tratando a questão, a partir do estudo do cérebro e de suas múltiplas inteligências. A neurociência e a neurolingüística procuram apresentar evidências da existência desse tipo de inteligência, através da qual captamos fatos, idéias e emoções, como também percebemos os contextos maiores de nossa vida, totalidades significativas, que nos faz sentir inseridos em uma totalidade, que nos torna sensíveis a valores, a questões ligadas à divindade e à transcendência. As experiências científicas realizadas nessa área têm verificado que essa é uma atividade biológica, neurônica, que se origina de oscilações neurais a uma determinada freqüência, especialmente localizada nos lobos temporais. Alguns estudiosos têm batizado essa região dos lobos temporais de “o ponto Deus”. Esse é o instrumento que capacita o ser humano a perceber a presença de Deus, que sempre esteve lá, embora não perceptível conscientemente.
A existência desse “ponto Deus” representa um aspecto da evolução de nossa espécie humana. Ela constitui uma referência de sentido para a nossa vida de tal modo que a espiritualidade pode ser compreendida como parte da condição humana e não uma área de domínio exclusivo das religiões. Ao contrário, as religiões não passam de uma das expressões desse “ponto Deus”.

terça-feira, 25 de novembro de 2008

Espiritualidade e visão / Spirituality and Vision / Espiritualidad y Visión

“Senhor, peço-te que lhe abras os olhos, para que veja” (2 Reis 6.17). Essa foi a oração feita pelo profeta Eliseu em favor do seu assistente. Isso serve para nós como um exemplo de exercício de espiritualidade para hoje. Precisamos clamar a todo instante por maior visão dos recursos que Deus tem colocado à nossa disposição, apesar de todos os problemas que estão à nossa volta.
A nossa visão muitas vezes é limitada, em função do ângulo em que observamos a realidade que nos cerca. Há muitos que estão cegos, nada vendo ao longe, como diz Pedro: “Todavia, se alguém não as tem, está cego, só vê o que está perto, esquecendo-se da purificação dos seus antigos pecados” (2 Pedro 1.9). Um dos sinais dessa cegueira é a falta de compreensão da misericórdia e do perdão que vem de Deus. Ela é provocada pelo pequeno valor que damos à ação de Deus em nossa vida.
A Bíblia nos diz também que o deus deste século cegou o entendimento das pessoas para que não pudessem crer no poder do Deus: “O deus desta era cegou o entendimento dos descrentes, para que não vejam a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus” (2 Coríntios 4.4).
Há outros tantos que estão com uma visão desfocada, longe do alvo principal de nossa fé, que é Jesus. Essa visão fora de foco é provocada pelo aumento do pecado e de comprometimentos com o secularismo desenfreado. Isso pode assolar diretamente a vida de qualquer crente. O remédio é abandonar o pecado e fixar os olhos em Jesus: “tendo os olhos fitos em Jesus, autor e consumador da nossa fé. Ele, pela alegria que lhe fora proposta, suportou a cruz, desprezando a vergonha, e assentou-se à direita do trono de Deus” (Hebreus 12.2).
O problema de Geazi, porém, o assistente de Eliseu, era o estrabismo espiritual: os seus olhos estavam desviados para longe da direção correta de sua visão. Ele precisava olhar para as soluções que vinham de Deus, mas só conseguia ver os problemas.
A solução para todos esses problemas em nossa maneira de ver a questão da espiritualidade é fazer a oração de Eliseu: abra-nos os olhos, para que vejamos. Deus diz para nós ainda hoje: “aconselho-te que de mim compres (...) colírio para ungires os olhos, a fim de que vejas” (Apocalipse 3.18). E já é hora de nos colocarmos diante de Deus em ardente oração nesse sentido.

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Deus cuida de nós / God takes care of us / Dios cuida de nosotros

Uma das convicções que podemos ter é a de que Deus cuida de nós. Pode ser até que você duvide ou até mesmo não acredite nisso. Mas isso não muda o fato de que Deus cuida de nós de um modo muito especial. E a Bíblia nos faz esse convite para confiar nisso: “Lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós” (1 Pedro 5.7).
Deus cuida de nós. Todos nós precisamos descobrir isso. Como é bom saber que um Deus supremo, eterno, grande e poderoso se importa conosco, apesar de toda a nossa condição! E mais: Deus tem cuidado de nós com amor imenso, dando-nos o melhor que Ele tem, em termos de bênçãos materiais e espirituais.
Deus tem cuidado de cada um de nós há muito tempo, desde quando fomos formados, desde quando viemos à vida, desde quando tomamos conhecimento do certo e do errado, desde quando escolhemos pecar e nos desviamos de sua glória, desde quando duvidamos de sua graça, poder e amor.
E porque Ele tem cuidado de nós, podemos ter a certeza que Deus será suficientemente capaz de prover para nós o alento, o socorro, o amparo, o perdão, a misericórdia, o acolhimento, o aconchego, o carinho, a palavra de poder, o conforto, a paz, a salvação, o motivo de canto e o motivo de alegria.
Ele tem cuidado de nós porque isso faz parte de sua natureza. É parte de Deus estar com sua mão estendida e com seu ouvido atento. Deus se agrada em oferecer a nós o seu favor e em se achegar àqueles que se achegam a Ele, tem prazer em ouvir as nossas orações com interesse vivo de atender ao nosso clamor.
Deus continuará sempre cuidando de nós. Seu amor e poder nunca acabam, suas misericórdias não têm fim, suas promessas nunca falham, sua graça nunca se esgota. Seu modo de agir reflete a sua eternidade. O Deus eterno tem o tempo sob seu controle e o usa como uma eficaz terapia para as almas aflitas.
Deus quer cuidar particularmente de cada um de nós. Ele quer que nos voltemos para Ele com corações quebrantados, quer ouvir a nossa confissão, nossa declaração de arrependimento, nosso pedido de perdão. Ele está pronto para atender o nosso clamor, ouvir nosso grito de socorro. Lançar sobre Ele toda a nossa ansiedade é um ato de fé, porque Ele tem cuidado de nós é resultado de sua graça. Por isso, não relute mais e renda-se a Ele.

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Inteligência espiritual e espiritualidade / Spirituality and spiritual intelligence / La espiritualidad y la inteligencia espiritual

Nilton Bonder define a inteligência espiritual como fonte do bom senso, do equilíbrio, do nível máximo da lucidez no ser humano, como uma forma de percepção que permite compreender que o todo é maior do que a soma das partes. Não se trata de uma faculdade que permita ao ser humano manipular a realidade, exercer autocontrole ou a afirmação da autonomia do sujeito, mas na capacidade de renúncia e de entrega diante de circunstâncias, de tal modo que o que mais importa é a vivência e o estado de maturidade de uma pessoa.
O próprio termo “espiritual” já é carregado de uma multiplicidade de sentidos. Ele é polissêmico e ambíguo, por assim dizer. Inteligência espiritual, na verdade, diz respeito, de um lado, a um conjunto de competências e habilidades associadas à espiritualidade como parte integrante das operações da mente. Por outro lado, tem a ver também com a dinâmica da personalidade humana.
O que o debate sobre a inteligência espiritual proporciona é a constatação de que as estruturas da espiritualidade não desapareceram em função do deslocamento do centro promovido pela modernidade – no caso, Deus foi tirado do centro, para dar lugar ao homem. O tema da espiritualidade tem estado presente seja em um contexto marxista ou neoliberal, ateísta ou secularizado. Trata-se da necessidade de encontrar um propósito para a própria vida e de lidar com problemas existenciais que surgem em momentos de fracasso, de rompimentos e de dor. Desperta o interesse pela busca da felicidade e a capacidade de realização pessoal. É o que, segundo Danah Zohar, leva o ser humano a criar situações novas, a perceber, por exemplo, a necessidade de mudar de rumo, de investir mais em um projeto ou de dedicar mais tempo à família.
Quais as habilidades que a inteligência espiritual permite desenvolver? Uma delas é a habilidade de lidar com a transcendência, assim como: a habilidade de aproximação do sentido do inefável e do sagrado (que leva em consideração a experiência mística como uma atribuição da consciência), a habilidade de tomar atitudes na dimensão da santificação (que tem a ver com a capacidade de tomar decisões e solucionar problemas sem perder a dimensão do sagrado), a habilidade de utilizar recursos espirituais para a solução de problemas, a habilidade de desenvolver virtudes no relacionamento com o outro.
Danah Zohar reconhece que essa capacidade se caracteriza pelos seguintes traços: capacidade de ser flexível, grau elevado de autoconhecimento, capacidade de enfrentar a dor, capacidade de aprender com o sofrimento, capacidade de se inspirar em idéias e valores, relutância em causar danos aos outros, tendência para ver conexões entre realidades distintas, tendência a se questionar sobre suas ações e seus desejos, capacidade de seguir as próprias idéias e ir contra as convenções.

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Escolha bem a sua equipe / Choose your team / Elige bien a tu equipo

De que tipo de equipe você gostaria de participar? Como formar bem a sua equipe? Se você fosse contemporâneo de Gideão, de qual time você gostaria de participar? Do primeiro ou do último exército que ele formou?
O primeiro exército era constituído de 99% de pessoas desaprovadas por Deus. Apenas 1% da tropa foi considerada como válida para realizar a obra que Deus tinha para ser feita. Do contingente de rejeitados, dois terços eram medrosos e covardes e um terço não tinha preparo adequado.
O último exército de Gideão era formado por aqueles a quem Deus conhecia. Talvez, porque possuíssem intimidade com Deus. Talvez, porque já tivessem dado provas de fé e confiança no Deus dos impossíveis. Talvez, porque fossem sensíveis e obedientes à voz de Deus. Talvez, porque possuíssem um sentimento de amor a Deus que os levasse à renúncia pessoal.
A Bíblia diz assim: “... Com estes trezentos homens... eu vos livrarei, ... pelo que a outra gente toda que se retire...” (Juízes 7.7).
Se você gostaria de fazer parte do último exército de Gideão, deve observar como está a sua vida com Deus e qual o seu nível de compromisso com os propósitos divinos. Os critérios de seleção que Deus usa incluem aferir o quanto você confia nele e o quanto você está disposto a obedecê-lo. Lembre-se: só os corajosos e aptos ingressam na equipe de Deus.
Deus está alistando pessoas para a linha de frente de sua obra, pois Ele está interessado em levar a efeito um projeto de libertação e restauração do homem perdido. Por isso, Ele examina e avalia aqueles que fazem parte da sua tropa. A realidade do exército de Deus hoje não é muito diferente daquele tempo. Deus continua querendo encorajar e capacitar a sua equipe hoje também.
Só o último exército de Gideão pode experimentar a alegria da vitória, como instrumentos usados por Deus. Os demais só puderam assistir de longe o que Deus estava realizando.
Pergunto agora de um outro modo: de qual equipe você tem participado? Daquela formada pela grande maioria de espectadores, distante dos propósitos de Deus? Ou daquela que, ainda que a minoria, ousa aceitar o desafio de ser usado por Deus para a obra da transformação de vidas e para fazer diferença no mundo?
Aliste-se na equipe formada por aqueles que confiam no Senhor e são sensíveis à sua voz.

sábado, 15 de novembro de 2008

Previsões Frustradas / Forecasts frustrated / Previsiones engañosas

Quantas vezes você quis saber o futuro para ter segurança nas decisões que você precisa tomar? O fato é que não temos controle sobre o futuro e, no máximo, podemos fazer uma estimativa das possíveis conseqüências do que fazemos hoje.
Vejam quantas previsões frustradas já foram feitas, conforme um levantamento feito na revista Veja de 20 de outubro de 1999, quando ainda nos preparávamos para a chegada do século XXI – em que nos encontramos hoje:
- Carros voadores fáceis de pilotar e baratos seriam o sonho de consumo da classe média; mas o número de carros aumentou assustadoramente provocando engarrafamentos, a velocidade média nas grandes cidades na hora do rush é de 6 km por hora, a mesma das carroças do século XIX.
- O ato sexual perderia importância; mas o sexo reina e é praticado cada vez mais cedo na vida dos jovens.
- O mercado mundial teria lugar para apenas 5 computadores, segundo a própria IBM, em 1943; mas já haviam sido fabricados mais de 300 milhões de computadores pessoais no mundo até aquele momento. E a revolução tecnológica continua com equipamentos cada vez menores e com maior capacidade de armazenagem e velocidade de informação
- O Brasil teria uma renda per capta de 506 dólares e um produto interno bruto de 246 bilhões de dólares, menor que a Argentina; mas a renda era de 4.800 dólares e o PIB beirava os 800 bilhões de dólares no começo deste século. Além disso, a Argentina está mergulhada numa crise sem precedentes, considerada como um país de alto risco econômico.
- O comunismo dominaria o mundo; mas a União Soviética acabou em 1991 e o comunismo sobrevive apenas em Cuba e na Coréia do Norte. O governo russo apoiou as ações militares no Afeganistão e o presidente cubano Fidel Castro se solidarizava com os norte-americanos.
- O mundo teria 7 bilhões de habitantes e o Brasil 212 milhões; mas o mundo tinha 6 bilhões de habitantes e o Brasil, 160 milhões, no começo do ano 2000.
- As pessoas só morreriam em acidentes e os mortos seriam congelados para serem tratados mais tarde; mas as doenças continuam matando e a morte é uma realidade cada vez mais dura de se encarar. O risco de uma guerra biológica amedronta a humanidade.
- Haveria mais humanos vivendo no espaço que na Terra; mas continuamos com os pés no chão.
- A família seria substituída por clubes de amigos; mas a vida ainda gira em torno do núcleo familiar.
- A floresta amazônica desapareceria; mas, apesar dos casos de devastação, ainda está no lugar.
O nosso futuro se reveste de um contorno mais sombrio com os alardes da crise econômica, com o aumento da violência. Quem pode garantir como serão os anos subseqüentes desse novo tempo? Tenho por certo que ultimamente vivenciamos acontecimentos que têm mudado a cara do mundo e o rumo da história.
Vivemos, sem qualquer sombra de dúvidas, em meio a incertezas. Porém, o consolo de Jesus Cristo continua vivo, passados dois mil anos de sua estada entre nós: “Não se turbe o vosso coração; credes em Deus crede também em mim. (...) Não vos deixarei órfãos, voltarei para vós. (...) Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou. (...) Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize” (João 14.1, 18, 27).
As aflições têm a facilidade de nos remeter de volta àquele que sempre nos amou e se entregou por nós. Se os contornos do futuro são sombrios para você, deixe que Jesus Cristo delineie a esperança que deve haver em sua vida, a esperança de que, mesmo em meio à tormenta, o Senhor irá te socorrer.

sábado, 8 de novembro de 2008

Mudança / Change / Cambio

A eleição de Barack Obama é mais do que um marco histórico. É uma demonstração inequívoca do rumo das mudanças que ocorrem na contemporaneidade. O processo de mudança é histórico. Ele surge na periferia e se destina ao centro. Ele começa pelos excluídos e desafia as estruturas que os exclui. Ele começa com um sonho e se torna realidade inexorável.
Foi assim com a queda do muro de Berlim. Foi assim com o fim da União Soviética. A mudança está em processo e finalmente chegou ao império norte-americano. Não pense que eu acho que ele seja o redentor de uma geração. Ao contrário. Ele é uma prova de que as mudanças estão em curso e que muito mais está para vir.
A mudança norte-americana começou de fato quando uma humilde costureira do Alabama, em dezembro de 1955, resolveu mudar de atitude de forma corajosa ao negar-se a ceder seu lugar no ônibus para um branco. Aquele gesto desencadeou a luta pelos direitos civis dos negros americanos. Naquela ocasião, Martim Luther King levantou sua voz para marchar com uma multidão e declarar que tinha um sonho. Desde então, o movimento de mudança não parou.
Esse é o sentido da mudança. Ou como o rapper Jay-Z interpretou: “Rosa Parks tomou assento para que Martin Luther King pudesse marchar. Martin Luther King marchou para que Obama pudesse correr. E Obama correu para que pudéssemos voar!”
Obama já tinha anunciado que a hora da mudança já havia chegado. O fato é que a mudança apenas começou. As decisões que serão tomadas daqui por diante vão determinar o ritmo dessa mudança.
Mudar é o processo resultante de vida. Só os vivos mudam. As múmias permanecem intactas por muito tempo. Por favor, me pertmita repetir: os vivos mudam! Heráclito estava certo ao afirmar que só há uma certeza: “tudo muda!” Ele via a mudança como um jogo dos contrários. Mas isso de forma alguma produz o caos. Ela permite a harmonia. A constante transformação de todas as coisas obedece a uma ordem e tentar entendê-la é sofrimento. A vida segue seu fluxo e é isso que lhe dá sentido, que estimula a tomada de decisões.
Pode ser que o mundo acorde em um determinado dia e verifique que a decisão de mudar com Obama não foi a melhor escolha. Mas o mundo já terá sido bem melhor por ter-se permitido mudar.

Assista:

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails