domingo, 21 de dezembro de 2014

Natal na história / Christmas in history / Navidad en la historia

“Mas, quando chegou a plenitude do tempo, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido debaixo da lei” Gálatas 4.4
O Natal é a lembrança do maior acontecimento histórico da humanidade e só será superado com a segunda vinda de Jesus: o fato de Deus ter se tornado humano.
Isso supera a descoberta do fogo, a invenção da roda, a queda de impérios, a descoberta do novo mundo, a revolução industrial e até as transformações trazidas pela era da informação. Em Jesus Cristo, nascido historicamente, Deus se apresenta a si mesmo como o Deus salvador da história, que se coloca junto ao homem em suas circunstâncias concretas para lhe apontar o caminho da redenção.
O acontecimento lembrado no Natal é o ápice de um evento radical e único na relação entre Deus e a história. Ele se deixa afetar pela história, se esvazia da eternidade para viver o jogo de forças de nossa realidade intramundana. Ele se oferece como alguém que se relaciona com outros que agem em liberdade no processo de dar e receber, que se torna tangível receptivo, acolhedor e doador.
Deus não se fez apenas um bebê. Ele se tornou gente na pessoa histórica de Jesus. De tal forma que a vida inteira de Jesus é um testemunho da essência de Deus: sua encarnação, sua morte, sua ressurreição e sua ascensão. Ela é a prova cabal de que Deus não é insensível, imutável, distante ou apático. Ao contrário, Deus em Cristo se mostra acolhedor, relacional, alcançável e vulnerável diante da liberdade e do sofrimento humano.
Na pessoa do Filho, o Pai se faz pleno ao mesmo tempo em que a pessoa do Filho assume a natureza humana para unir-se a toda a criação. O Filho assume a humanidade no tempo a fim de que realize a sua condição eterna de Filho de Deus somente pela garantida da ação e mediação do Espírito. É na dimensão trinitária que podemos compreender o mover de Deus na história.
Na pessoa do Filho, Deus se comunica conosco e estabelece comunhão por meio do Espírito. Natal é, portanto, uma celebração trinitária, é a dramatização do Deus que se faz homem para redimir a criação, para curar as feridas deixadas pelo pecado, para eliminar a distância entre Deus e o homem, para quebrar o poder da morte e para fazer surgir uma nova comunidade.

O Natal é a celebração do Deus que entra na nossa história, que supera nossas resistências a Ele, para apontar o caminho de nossa própria salvação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Assista:

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails