quinta-feira, 3 de maio de 2012

Restaurando lares feridos / Restoring homes injured / Restauración de hogares heridos

Uma das metáforas mais curiosas encontradas na Bíblia para tratar da vida em família é a que se encontra em Cânticos 4.13-16 que retrata um pomar. A vida, como um todo e também a vida conjugal e familiar, é como um jardim com uma variedade de plantas. A família comporta uma diversidade de situações, uma diversidade de funções e uma diversidade de relevâncias de tal modo que a beleza está em dar vida a esse universo que se constitui como o espaço em que a vida acontece em sua maior intensidade.
A diversidade em família é complexa e envolve muitas situações de tensão. O que está em jogo é uma batalha que tem a ver com identidade. A vida em família não é apenas uma opção ou um estilo de vida. Ela é resultado de um esforço contínuo e sincero de estabelecer relacionamentos e vínculos que só pode ter sido pensado a partir de uma mente brilhante, como a mente divina. O problema é a mente humana conseguir compreender isso.
A diversidade atual remete a uma perda de identidade de tal modo que a família se perdeu como um centro de referência da sexualidade. Em meio à discussão sobre diversidade sexual e de gênero, falta um indicador que encoraje as pessoas a uma sexualidade baseada na relação homem e mulher no contexto do casamento, que é a ênfase bíblica. Esse princípio está comprometido por tendências machistas e feministas que despertam atitudes equivocadas sobre papéis e comportamentos que acabam se tornando verdadeiras violências à nossa condição humana.
Quem pode se levantar para promover a família como esse ambiente em que a vida humana acontece? Para mim, a igreja é a única instituição que ainda tem condições de levantar a sua voz e se tornar como um centro para a capacitação da família a fim de que ela seja o espaço para a nossa humanização. A razão disso está no fato de que é no contexto de um relacionamento profundo com Deus que as escolhas e os pactos celebrados podem ter mais validade. É preciso desenvolver ações significativas que tornem possível a confiança e promova uma restauração onde a convivência saiu do controle.
A família representa a maior necessidade não atendida em toda a civilização ocidental. Em lares a beira do desespero, o amor é a única base para a edificação de uma família nessas condições. É preciso se dar conta de que a família é o mais profundo relacionamento humano. Quando a questão envolve lares feridos, é possível descobrir que não há problema que possa impedir a realização de um relacionamento firmado no amor. A restauração de lares feridos passa pela restauração de pessoas feridas.
Ë preciso haver sinceridade na avaliação de nós mesmos a respeito daquilo que tem provocado feridas nos relacionamentos. A decisão de mudar um relacionamento ferido muitas vezes deve partir de nós mesmos. Até que ponto somos capazes de perdoar e até que ponto estamos dispostos a uma renúncia a fim de permitir a restauração de feridas que ainda estão abertas? Embora não tenhamos garantias que uma mudança venha acontecer no outro, é urgente que a mudança de atitude necessária aconteça primeiramente em nossa própria vida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Assista:

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails