sábado, 10 de janeiro de 2015

Se não há Deus... / If God does not exist... / Si no hay Dios...

O meu povo cometeu dois crimes: eles me abandonaram, a mim, a fonte de água viva; e cavaram as suas próprias cisternas, cisternas rachadas que não retêm água.” Jeremias 2.13
Dostoiévski, em sua célebre obra Irmãos Karamazov, diz: “Se Deus não existe e a alma é mortal, tudo é permitido”. Essa frase lembra a condição humana a que a cultura ocidental foi submetida a partir da Modernidade ao lançar Deus para fora do mundo.
As charges da revista francesa Charlie Hebdo, que sofreu um ataque terrorista na última quarta-feira, 7/1, são apenas reflexos de um quadro maior de rejeição ao religioso e o estágio de absoluta indiferença a respeito de Deus. O Ocidente aprendeu a não considerar Deus como uma hipótese de conhecimento.
Essa condição cultural, niilista, interfere na maneira de ver o mundo, nas artes e até nas ciências. Todas as verdades são colocadas sob suspensão e até mesmo o senso de humor cede lugar ao deboche, ao grotesco, ao escracho. O conteúdo das charges que despertaram a fúria de terroristas é constrangedor, chega a ser vergonhoso de se mencionar.
A afirmação de autonomia do homem moderno, no entanto, depende da afirmação da liberdade. A máxima de Voltaire torna-se uma bandeira para a defesa do direito de expressar livremente o pensamento: “Posso não concordar com nenhuma palavra que você disser, mas defenderei até a morte o direito de você dizê-las.
O mundo desencantado e secularizado perdeu-se de si mesmo e rejeita toda forma de crença ou discurso de verdade que lhe aponte o caminho de volta para um tempo de engano e de trevas, como foi definido o período medieval, dominado pela relação entre fé e razão.
A atitude crítica para com o fenômeno religioso conduz a um temor de retorno ao estágio pré-moderno, que lembra a inquisição e o discurso de culpabilização e medo. Mas remete também para um sentimento pós-moderno que reacende as muitas formas de fundamentalismo construídas a partir do século XX, seja ele protestante, de esquerda, de extrema direita, ateísta e até mesmo islâmico. Um mundo de extremos, marcado pela intolerância, que não conhece limites, que prega a absolutização do eu, que exige a relativização de toda a forma de poder e de verdade.
Esse mundo que se perdeu de si mesmo carece de uma voz que lhe aponte o caminho. Contudo, a única voz possível nesse momento de angústia é: até quando? Até quando teremos que assistir indefesos os muitos cerceamentos de liberdade, de tratamento desigual e de opressão num mundo que se afastou de Deus?
Aquele que tem o controle da história, porém, ainda repete chorando o seu discurso na cruz: “Pai, perdoa-lhes, pois não sabem o que estão fazendo” (Lucas 23.34).
(Extraído do informativo de domingo, 11/1/2015, da Igreja Batista da Orla Oceânica)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Assista:

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails