segunda-feira, 13 de julho de 2015

O valor das circunstâncias difíceis / The value of difficult circumstances / El valor de las circunstancias difíciles

Desde os dias de João Batista até agora, o Reino dos céus é tomado à força, e os que usam de força se apoderam dele.” Mateus 11.12 
Quando Jesus chamou seus primeiros discípulos para segui-lo não disse que seria uma tarefa fácil. Antes, advertiu-os de que isso implicava uma renúncia. E em vários momentos enfatizou que era necessário empreender algum esforço para viver de acordo com seus ensinos.
No primeiro discurso de orientação, que foi o Sermão do Monte, Jesus deixou princípios e orientações que exigiam um esforço tremendo de seus seguidores. Ele esperava que os primeiros discípulos assumissem uma postura diferente daquela adotada pelo costume de seu tempo. Em várias circunstâncias, Jesus lembrou-lhes que seriam incompreendidos, rejeitados e até insultados porque o seguiam.
Alguns desistiram logo no início; outros o seguiam, mas mantendo uma certa distância; a grande maioria, porém, preferiu permanecer indiferente à mensagem de Jesus ou o rejeitou de forma deliberada. Também, quem iria assumir o risco de seguir a um mestre de vida que exige uma mudança tão radical em termos de valores e princípios?
Jesus ilustrou que a maneira como enviava seus discípulos a cumprirem sua tarefa no mundo era como quem enviava ovelhas no meio de lobos. Apesar dos muitos problemas que a missão cristã envolve, há uma promessa. Jesus disse: Todos odiarão vocês por minha causa, mas aquele que perseverar até o fim será salvo.” Mateus 10.22. Isso não quer dizer que a salvação virá porque você foi perseguido, mas que ser salvo implica perseverar até o fim apesar de todos os problemas que possam surgir ao longo do caminho, mantendo-se como exemplo de alguém que segue a Jesus.
Os cristãos sempre estiveram sujeitos a toda sorte de perseguição, seja por motivos ideológicos, por interesses políticos e até por puro preconceito. A história do cristianismo é marcada pela vida de pessoas que foram tentadas a escolher entre o poder e o amor, entre o controle e a obediência, entre o palco e a cruz, entre a autoridade e o seguimento. Aqueles que venceram essas tentações são os que fizeram a diferença e optaram pelo modo mais difícil de viver a fé, que é o único modo de ser cristão de fato.
Precisamos concordar com o pensamento socrático de que “uma vida sem desafios não vale a pena ser vivida.” Entretanto, esse desafio tem custado muito caro para a vida de muitas pessoas e comunidades inteiras. Seguramente, cerca de um quarto de toda a população cristã no mundo de hoje vive debaixo de forte perseguição. Isso significa, no mínimo, cerca de 400 milhões de pessoas. Em nenhum outro tempo da história houve tantos cristãos perseguidos. Chega-se a falar de uma onda de “cristofobia”.
Repito e insisto: não é fácil ser cristão. Talvez seja fácil ser um religioso. Porém, ser cristão não se resume a uma vida religiosa. Isto lembra o que disse Martin Luther King Jr: “A verdadeira medida de um homem não se vê na forma como se comporta em momentos de conforto e conveniência, mas em como se mantém em tempos de controvérsia e desafio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Assista:

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails