segunda-feira, 18 de março de 2013

A eleição do papa Francisco e o futuro do cristianismo / The election of Pope Francisco and the future of Christianity / La elección del Papa Francisco y el futuro del cristianismo

A sucessão do papa está cercada de surpresas: a surpresa da renúncia, a surpresa da escolha rápida, a surpresa do primeiro papa jesuíta e latino-americano e a surpresa do nome Francisco. O Cardeal Jorge Mario Bergoglio, Arcebispo de Buenos Aires, escolhido no dia 13 para ser o novo papa, traz expectativas de mudanças para uma igreja que se encontra em crise. É, sem dúvida, um fato histórico cercado de muitos significados e que exige muito cuidado para sua análise e compreensão.
A princípio, ventos de mudança sopram pelo Vaticano e o cristianismo como um todo. Primeiro por que a igreja passa por uma crise diferente das que já passou em outras épocas. A igreja que já enfrentou feras, fogueiras, imperadores e heresias enfrenta uma crise que é deste tempo, marcado pelo desencantamento do mundo, pela fragmentação do sujeito e pelo fim dos absolutos. O que está em jogo não é mais a autoridade e identidade da igreja, mas a validade da fé em Jesus Cristo como único meio de salvação. O homem contemporâneo aprendeu a viver sem Deus e se sente muito bem com isso, de tal maneira que é indiferente à proposta de fé cristã.
O discurso religioso do cristianismo é como uma voz em meio a muitas outras vozes que soam aos ouvidos de uma humanidade errante como ovelhas sem pastor ao mesmo tempo em que a voz do pastor como aquele que guia já não faz mais qualquer sentido hoje se não for marcada pelos apelos da sociedade de consumo, do prazer e do individualismo que se formou.
A chegada do novo papa é marcada pela esperança de que as mudanças sonhadas pela cristandade desde o fim da Idade Média finalmente cheguem até nós. É desde lá que se diz que a igreja precisa mudar o rumo. Essa foi a vocação de Francisco, o de Assis. Esse foi o legado de John Wycliff, João Huss e Savonarola. Essa foi a intenção dos reformadores protestantes. Essa foi a proposta do Concílio Vaticano II. E que mudanças são essas? A retomada de um modo de vida marcado pelo caráter de Jesus de Nazaré.
Conforme Leonardo Boff afirmou, o nome Francisco é um arquétipo das possibilidades de mudanças. Uma igreja pobre para os pobres, centrada nos valores anunciados pelo Cristo, como o perdão, a misericórdia e a simplicidade. Conseguiremos ver isso acontecer? Num espaço curto de tempo, será difícil de se ver. As mudanças na igreja romana fazem parte de um processo muito lento, dado o seu gigantismo e seu milenarismo, que pode levar tempo, séculos talvez. O importante é que o discurso se faz ouvir a partir do núcleo, do centro em que se exerce o poder da igreja, o próprio pontífice, não mais das suas periferias.
Tenho para mim que as mudanças que são de fato necessárias não são estruturais, eclesiológicas ou políticas. Elas são conjunturais. Cristãos precisam assumir uma nova consciência, a de que somos parte de um todo complexo e que dependemos uns dos outros para existir. Precisamos nos dar conta do fato de que não somos espectadores de um naufrágio, seguros em um porto. Estamos todos num mesmo barco e corremos os mesmos perigos.
O fato de o novo papa ser argentino, latino-americano e jesuíta é secundário. O que pesou mais em sua escolha foi o fato de ser conservador e ter uma história de cuidado no campo pastoral. Afinal, um colégio de cardeais conservadores elegem sucessores a sua imagem e semelhança. Suas primeiras palavras indicam que há duas tendências que serão pautadas: a experiência mística e a ação pastoral. Não são alternativas novas. É o apelo da fé e da missão. Não são alternativas entre muitas. São as únicas alternativas viáveis. Que esses ventos de mudança soprem sobre protestantes também.

4 comentários:

  1. Vejo uma grande extratagegia do marqueting da igreja catolica.Estava perdendo muito espaço para os evangelico, não creio que isso vai mudar.Uma coisa com certeza vai continuar o poder do espirito santo, vai está tão atual como nunca teve, com certeza eatamos chegando o momento de se ver quem e mais crente ou menos crente.O impulso que esse papa vai dar será de um impacto muito grande com certeza orecisamos viver mais do que uma vida de crente, precisamos realmente sermos cristãos.

    ResponderExcluir
  2. A igreja católica só irá mudar a partir do momento em que entender que não é igreja única, entendendo que a Pedra não é Pedro( que nunca esteve em Roma e era casado) e sim Cristo. Entendendo que não tem um vigário na terra, representante de Cristo. Representantes de Cristo aqui na terra são os salvos regenerados pelo sangue de Cristo que o próprio Pedro chamava de "povo adquirido" (I Pedro 2:9).
    A igreja de Constantino, que fez abertura e a partir de então se mundanizou, antes, na perseguição, era a igreja pura e santa, depois, fez aberturas, se tornado idólatra(Deut. 5:8). Tal igreja. só será igreja de Cristo, quando Ele for único dentro dela.
    Irenio, cristão é seguidor de Cristo, Não se pode chamar igreja institucionalizada de igreja cristã. Mas uma vez cito Pedro que disse:"porque é bastante que no tempo passado da vida,fizéssemos a vontade dos gentios, andando em dissoluções,concupiscências,borracheiras,glutonarias,bebedices e abomináveis idolatrias (I Pedro 4:3).Ser cristão é fazer a vontade do Pai e sobre isso Jesus falou à sua mãe e seus irmãos(Mateus 12: 46 a 50).
    Com carinho Luiz Alberto.

    ResponderExcluir
  3. O texto está maravilhoso.

    Um semana iluminada,
    Mara.

    ResponderExcluir

Assista:

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails