quinta-feira, 3 de novembro de 2016

O milagre que restaura a vida / The miracle that restores our life / El milagro que restaura nuestra vida

“[...] pois as suas misericórdias são inesgotáveis” Lamentações 3.22
A principal característica da personalidade divina apresentada em toda a Bíblia é a misericórdia. Ao contrário do que se possa pensar, a Bíblia apresenta Deus como alguém que é misericordioso desde o começo até o fim. Dá para entender isso ao olhar para a natureza e perceber seu cuidado em toda a criação.
Nas Escrituras, o sentido de misericórdia tem a ver com uma força, marcada pelo amor, que age sobre as atitudes das pessoas quando estas se afastam do propósito divino, quando a infidelidade prevalece e quando se tenta afirmar a ilusão de que se pode viver sem Deus. Esta força atua naqueles momentos em que a pessoa se sente fragilizada pelo sentimento de culpa, ao se dar conta de que não é capaz de cuidar de suas próprias angústias. É nessa ora que surge o clamor pela misericórdia divina, que se dá na expectativa do perdão e do acolhimento.
Moisés lembrava-se disso em suas orações: Senhor, Senhor, Deus compassivo e misericordioso, paciente, cheio de amor e de fidelidade, que mantém o seu amor a milhares e perdoa a maldade, a rebelião e o pecado [...]” (Êxodo 34.6,7). Mesmo quando aqueles a quem tanto ama agem de forma infiel e se desviam por caminhos que os distanciam mais e mais, Deus sempre faz com que sua compaixão e seu amor generoso acalmem sua ira. Por isso o poeta cantou: “Pois a sua ira só dura um instante, mas o seu favor dura a vida toda” (Salmos 30.5).
O amor e a justiça são as duas formas através das quais a misericórdia divina se manifesta. O amor é o modo como Deus nos atrai para si. O profeta lembra bem isso: “Eu a amei com amor eterno; com amor leal a atrai” (Jeremias 31.3). Mas é em justiça que ele se relaciona conosco, com o ser humano e com o mundo. Sua misericórdia é maior que seu senso de justiça e é o que a orienta. “[...] A misericórdia triunfa sobre o juízo!” (Tiago 2.13).
A misericórdia não só identifica quem é Deus como também marca a vida das pessoas que são alcançadas por ela. Ela gera vida e cria uma relação de identidade com Deus. Não há ninguém que tenha sido alcançado pela misericórdia divina que não experimente também uma transformação pessoal que lhe impulsione a uma vida de libertação.
Tomás de Aquino afirmou que “é próprio de Deus usar de misericórdia e, nisto, se manifesta de modo especial a sua onipotência”. Por essa razão, podemos afirmar que a misericórdia é um mistério. Ela revela Deus e promove nova vida aos que são acolhidos por seu amor. É o caminho que une Deus e os homens, visto que restaura a alegria de ser amado apesar de sermos pecadores, de ser acolhido apesar de nossa condição de perdidos, de ser encorajado apesar de nossos muitos temores.
A maior expressão da misericórdia divina foi a sua revelação na pessoa de Jesus Cristo. Foi assim que se referiu Zacarias quando recebeu a visita de Maria, grávida, em sua casa: “Louvado seja o Senhor, o Deus de Israel, porque visitou e redimiu o seu povo [...] para mostrar sua misericórdia aos nossos antepassados e lembrar sua santa aliança” (Lucas 1.68 e 72). Essa ideia de que a misericórdia nos visitou para trazer salvação é a maior mensagem que alguém pode ouvir. Jesus é a encarnação da misericórdia divina. Ou, em outras palavras, “Jesus Cristo é o rosto da misericórdia do Pai”, conforme o Papa Francisco afirmou.
O mundo carece de misericórdia. A contemporaneidade conquistou uma situação de conforto e bem-estar através da ciência e da tecnologia que poderia lhe garantir segurança e felicidade. Porém, a humanidade nunca esteve tão perdida, insegura e desorientada. Só a misericórdia pode curar corações feridos, restaurar relacionamentos destruídos, resgatar sonhos esquecidos, renovar a esperança perdida e refrigerar almas cansadas. Ela pode nos curar e libertar de toda angústia e temor.
De fato, experimentar a misericórdia divina nos traz cura e libertação, mas também nos habilita a oferecer essa mesma misericórdia a pessoas que necessitam dela. Jesus ordenou: “Sejam misericordiosos, assim como o Pai de vocês é misericordioso” (Lucas 6.36). Uma grande tragédia é a possibilidade de existirem cristãos que não sejam capazes de serem misericordiosos. Se alguém que diz ser um seguidor de Cristo, mas não é capaz de exercer misericórdia, esse tal engana-se a si mesmo e é um escândalo para a vida em comunhão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Assista:

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails