domingo, 27 de março de 2016

O que farei de Jesus? / What shall I do then with Jesus / ¿Qué pues haré de Jesús?

Que farei então com Jesus, chamado Cristo? Mateus 27.22 
Diante do evento histórico do nascimento, morte e ressurreição de Jesus, uma pergunta não pode deixar de ser feita: o que farei de Jesus? Essa pergunta foi feita por ninguém menos que Pilatos, aquele governador romano responsável por conduzir o julgamento e a condenação de Jesus. Ele estava diante de um homem inocente, que havia feito o bem por onde passou, que trouxe uma proposta de vida nova para todas as pessoas, mas que havia contrariado os poderosos de seu tempo.
Você pode ignorá-lo. Essa foi a atitude dos líderes judeus. Eles ignoraram o fato de que Jesus era a manifestação de Deus na história: ali estava o encarnado, o Deus que vem a nós. Os sinais históricos da revelação de Deus em Cristo tinham sido dados. Até Pilatos sabia da trama sórdida dos líderes dos judeus. O autor do evangelho registra: Porque sabia que o haviam entregado por inveja” (Mateus 27.18). Há muitos que agem da mesma forma. Ignoram o fato de que Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo. Jesus não foi um mero acontecimento. Ele foi o enviado de Deus para nos trazer a Boa Nova de paz e salvação.
Você pode condená-lo. Essa foi a atitude da multidão. Eles gritaram: Crucifica-o! (Mateus 27.22). Esse é o resultado da maldade no coração humano. A morte de Jesus na cruz é o resultado da rejeição humana ao modo de vida com que Jesus viveu. Para todos aqueles que encontrou, Jesus disse: “segue-me”. Porém, isso implica uma mudança de atitude e de rumo. E são poucos os que estão dispostos a tomarem essa decisão.
Você pode divinizá-lo. Essa foi a atitude da esposa de Pilatos. Ela disse: Não se envolva com este inocente, porque hoje, em sonho, sofri muito por causa dele (Mateus 27.19). Para ela, era muito mais fácil colocar Jesus em um altar, tratá-lo como divino apenas, venerá-lo à distância, como quem diz: “reconheça como Deus, mas fique bem longe dele”. E são muitos os que ainda o veem dessa forma.
Você pode se tornar indiferente. Essa foi a atitude de Pilatos. Ele disse: Estou inocente do sangue deste homem; a responsabilidade é de vocês (Mateus 27.24). E lavou as suas mãos à vista de todos. Ele havia percebido a trama dos líderes judeus, acusando-o sem prova. Seu pior crime foi ter dito que era o Filho de Deus. Só um louco diria tal coisa. E somente pessoas de pouco entendimento seriam capazes de entender que se tratava de um engano. E ainda há muitos que acham que seguir a Jesus e crer em sua proposta de nova vida é uma coisa para pessoas com falta de entendimento.
Você pode acolhê-lo em amor. Diante do episódio da cruz, ninguém poderia imaginar que ali estava o salvador do mundo. Somente aqueles que andaram com Jesus, que partilharam da sua dor e paixão, poderiam compreender que se tratava de alguém especial, o Deus conosco, aquele que nos amou até o fim. Somente aqueles que o acolheram em amor poderia atribuir o real sentido daquele gesto na cruz. E ainda hoje só é possível compreender o verdadeiro sentido da Páscoa cristã se acolhermos a Jesus, sua mensagem e seu Reino, em uma resposta de amor ao seu chamado.
Portanto, o que podemos fazer de Jesus hoje? Eu diria que é nos oferecermos a ele como instrumentos para encarnarmos sua vida e mensagem num mundo de tantos conflitos como este em que vivemos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Assista:

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails