domingo, 2 de março de 2014

Deus sabe, Deus ouve, Deus vê / God knows, God hears, God sees / Dios sabe, Dios escucha, Dios lo ve

Grande é o nosso Soberano e tremendo é o seu poder; é impossível medir o seu entendimento.” Salmos 147.5
Há uma canção cristã antiga que afirma categoricamente em seu refrão: “Deus sabe, Deus ouve, Deus vê”. Diante das circunstâncias em que nos sentimos tão pequenos, limitados e fracos, é confortante saber que há alguém que nos assiste em nossa angústia e nos acalma.
O problema é o que fazemos com essa informação. Podemos desenvolver uma fé ingênua e compreender Deus como um pai rico que nos dá tudo o que pedimos. Ou podemos ir para o outro extremo de achar que Deus é impotente e nos entrega à nossa própria sorte e ao destino.
Prefiro pensar que Deus é aquele que nos chama para dentro da vida. Ao mesmo tempo em que é poderoso para criar todas as condições para que a vida aconteça, com todas as suas implicações, ele também tem um amor paternal além da nossa compreensão.
Um Deus assim se relaciona comigo em amor e liberdade. É por que me ama que me deixa livre para fazer escolhas. E é na medida que faço minhas escolhas que ele expressa seu amor e se dirige a mim.
O resultado disso é uma fé que seja síntese de amor e liberdade, de escolhas e determinismo.

A canção antiga dizia que é desse modo que Deus nos faz um gigante. Ele sabe o que vai dentro de nós, ouve a nossa súplica e vê a nossa angústia. Se isso não é amor, o que mais pode ser?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Assista:

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails